sábado, novembro 19, 2005

Educação Pela Arte, Artes na Educação...

A propósito da discussão levantada na aula, tento, neste post, fundamentar, de forma sintetizada, a minha opinião, baseada em Sousa, Alberto B. (2003). Como tal, irei usar a terminologia que o autor usa, diferenciando entre Educação Pela Arte e Artes na Educação, referindo-se a última à Educação Para a Arte.
Segundo o autor supracitado (2003, p. 80), "a educação pela arte não é, de modo algum, uma metodologia com a intenção de ensinar à criança conceitos teóricos sobre a arte, história da arte ou sobre a vida e obra de grandes artistas. Também não tem por objectivo, levá-la a aprender a contemplar obras de arte, de lhe ensinar técnicas de produção artística, de a iniciar no contexto da arte dos adultos, ou de procurar a formação precoce de pequenos artistas (...) constitui, assim, um modelo metodológico educacional, não com o propósito de ensinar Arte, mas de a utilizar como meio de promover a Educação".
"Enquanto na Educação pela Arte não interessa a obra de arte em si, mas a sua capacidade de possibilitar à criança a expressão das suas emoções e a evolução da sua beleza espiritual, a perspectiva das Artes na Educação volta-se directamente para a produção de obras com características socioculturalmente consideradas como artísticas, com a intenção expressa de ensinar as técnicas e os princípios estético-científicos que deverão presidir na sua criação." (2003, p.89) (...) sendo "a Educação pela Arte proporcionada por educadores e professores que se especializam no uso das artes como metodologia educacional, e o Ensino das Artes proporcionado por pessoas com formação específica numa determinada arte, que se especializam no seu ensino." (20003, p. 89)
Em suma, a "Educação pela Arte propõe-se utilizar as artes como métodos educacionais, tendo o seu âmbito e o seu fim na educação; as Artes na educação, propõem-se directamente ao ensino das artes, no seio da educação, sendo as artes o seu âmbito e objectivo".
Independendemente dos objectivos, metodologias e todo o processo que envolvem estes modelos, acredito que o mais importante será o ponto comum entre os dois que é a valorização das Artes e das Expressões no desenvolvimento global da criança... constituindo uma mais valia no currículo, no sentido de abranger o visível e o invisível da cultura de cada indivíduo, de um grupo e da sociedade em geral...
Ainda relativamente ao visível e invisível, parece-me que o primeiro se situaria mais na prática da Educação Pela Arte e o segundo nas Artes na Educação...
Bibliografia
. Sousa, B. Alberto (2003) Educação Pela Arte e Artes na Educação, 1º Vol., Bases Psicopedagógicas, Lisboa: Instituto Piaget.

5 comentários:

antónio rui disse...

susana deixa-me acrescentar ou mesmo adir ao teu post estas citações qu eparecem resumir um pouco o que aqui expões:
"O objectivo da educação pode ser apenas o de desenvolver, ao mesmo tempo que a singularidade, a consciência social ou a reciprocidade do indivíduo."
Herbert Read, "A educação pela arte"

...

"Estou seguro de que o que está errado no nosso sistema educativo é precisamente o nosso hábito de estabelecer territórios separados e fronteiras invioláveis; e o sistema que proponho (...) tem por único objectivo a integração de todas as faculdades biologicamente úteis numa única actividade orgânica. Afinal não faço distinção entre ciência e arte, excepto no que respeita aos métodos, e julgo que a oposição criada entre elas no passado se deveu a uma visão limitada de ambas as actividades. A arte é a representação, a ciência a explicação - da mesma realidade.
"
Herbert Read, "A educação pela arte"

AntonioPacheco disse...

Ana, queres explicar melhor o teu último parágrafo?!

AnaOliveira disse...

António, ainda bem que levantas esta questão, pois ao ler o último parágrafo vejo que troquei... ou seja, queria referir que o visível corresponderia mais à Educação Para a Arte e o invísível à Educação Pela Arte.

Pois, tal como referi no penúltimo parágrafo, embora ambas constituam uma mais valia no currículo, através da valorização das Artes e das Expressões em educação, penso que a Educação Pela Arte explora mais o lado mais invisível da criança, favorecendo a compreensão e maturação do mesmo, usando as expressões como estratégia de expressão, exteriorização de ideias, sentimentos, percepções e emoções...
Enquanto que a educação para a Arte ou Artes na Educação, trabalham muito o lado visível, através das produções artísticas baseadas em conceitos sociais de estética, forma, etc.Naturalmente, se encararmos estas produções como um processo criativo pessoal, também identificamos o lado invisível...

Margarida disse...

Talvez seja mais correcto não etiquetar a Educação para a Arte como manifestação do visível: afinal o artista/criador procura sempre o invisível para expressar. Procura o que todos pensam ou sentem mas que ainda não conseguiram expressar/formular. A arte assume igualmente um papel de transmissão mais ou menos passiva de conceitos do "invisível" de uma cultura.
Podemos "olhar" o visível, mas não quer dizer que estejamos a "ver" o invisível. Aliás, quanto mais enigmática é uma forma de arte, mais atrai as mentes "conscientes", mentes que querem saber cada vez mais e que não se contentam com o simples "flash".

AnaOliveira disse...

Concordo contigo, Margarida, daí a minha última frase do comentário...
Essas associações do visível e invisível que fiz são muito subjectivas e profundamente analisadas podem "dar para os dois lados"... É uma questão de interpretação.